As confecções e o desafio do desenvolvimento regional – Alexandre Comel

As confecções e o desafio do desenvolvimento regional – Alexandre Comel

Foi como consultor do programa PEIEX (Projeto Extensão Industrial Exportadora) da Apex Brasil (Agência Brasileira de promoção de exportações e investimentos) aplicado aqui na região em parceria com a  UNIVATES que nos anos de 2009 e 2010 tive meus primeiros contatos com as empresas que desenvolvem esta atividade. Na oportunidade pude diagnosticar mais de trinta micro e pequenas empresas deste setor até que em 2011, cruzando os dados destes diagnósticos, pude levantar aspectos comuns que, de uma certa forma, deram uma visão geral em termos de dificuldades que o segmento enfrentava para se manter atuante no mercado. Foram 24 (vinte e quatro) itens divididos nas áreas de Administração Estratégica, Recursos Humanos, Finanças e Custos, Vendas e Marketing e Gestão da Produção. Pontos que iam desde a falta de planejamento estratégico e de capital de giro; escassez de mão de obra; pouca renovação da força de trabalho; deficiências em controles financeiros e de custos; marcas desconhecidas; concorrência com centros maiores como SP, SC e a própria Serra Gaúcha; pequena área de atuação geográfica; custos elevados para a realização de atividades de marketing; equipamentos de produção defasados; capacidade de produção limitada, entre outros.

A grande questão que surgiu foi: se os problemas são comuns, por que não buscar a sua resolução através da ação coletiva, da cooperação? Por que não unir esforços entre os empresários, entidades, instituições de ensino e pesquisa e poder público como forma de desenvolver e dar visibilidade ao setor, fortalecendo ainda mais a economia do Vale? A partir destes questionamentos é que se iniciaram informalmente, de modo voluntário e dentro das disponibilidades de tempo os trabalhos de sensibilização junto aos agentes citados, principalmente com os empresários e também alguns estudos e pesquisas para procurar encontrar formas, modos que pudessem materializar uma possível ação conjunta.

Na Serra Gaúcha existe a Associação Pólo de Moda da Serra Gaúcha, reconhecida como um Arranjo Produtivo Local – APL, onde através da qual entidades, empresas, governos (municípios da região e Governo do Estado) e instituições de ensino e pesquisa trabalham de forma cooperada para o crescimento e o desenvolvimento da região. Seria essa a solução para o nosso Vale do Taquari?

Conseguimos fundar em 2011 a AEICOVAT – Associação dos Empresários de Indústrias de Confecção do Vestuário e afins do Vale do Taquari, a qual tem por finalidade assistir, orientar, instruir e estimular a cooperação entre os Associados e suas empresas de modo a dar a estas competitividade, suporte e subsistência dentro do mercado em que estão inseridas, contribuindo para o combate da informalidade na economia, o aumento de empregos e a sua sobrevivência. De forma ainda tímida, a associação mantém suas atividades, tendo já realizado cursos de formação de mão de obra além de possuir máquinas de costura, equipamentos e software para desenvolvimento de modelagem, estrutura esta que está à disposição dos associados, fruto de parceria com a Prefeitura Municipal de Lajeado.

A CONFEC+ também é uma conquista deste trabalho realizado nos últimos anos. Ela vem ao encontro na resolução de muitas das demandas inicialmente levantadas, procurando trazer as indústrias de confecção para perto dos seus fornecedores e clientes, colocando em evidência nossas marcas locais e criando um ambiente de otimismo para novos investimentos. Além disso, a feira está conseguindo aproximar entidades, empresários, instituição de ensino e pesquisa e poder público em torno do setor para que num futuro próximos possamos estar debatendo formas de atuação cooperadas e coordenadas em prol do desenvolvimento regional.

O caminho ainda é longo, mas está sendo trilhado e as portas estão se abrindo. Basta nos engajarmos nesta viagem sem volta, pois com organização e junção de forças construiremos um Vale do Taquari cada vez mais forte e com mais oportunidades, gerando mais empregos e renda, tão necessários nesses tempos tão difíceis.

 

Por Alexandre Comel